+ Responder Tópico
  1. #1
    Membro Avatar de Netossauro
    Info
    Registro
    Sep 2003
    Mensagens
    4.032
    Verdinhas
    2935

    AJUDA - receita federal

    Olá Miguxos... to morando na Argetina e comprei 2 jogos pela game.co.uk e mandei pra minha casa no brasil pra minha mãe me remeter eles pra ca (não enviavam direto pra cá).

    Bem os 2 jogos sairam R$ 86,00

    minha mãe disse que recebeu a cartinha do coreeio / RF.

    Até 50 Dólares não pago imposto certo? Alguém tem aquele modelo de cartinha de revisão pra eu mandar pra RF? O foda e mexer com isso tudo daqui!!

    Valewu

  2. # Publicidade
    Publicidade

  3. #2
    Membro Avatar de Pacote
    Info
    Now in gold flavor!
    Registro
    Feb 2002
    Mensagens
    22.951
    Verdinhas
    24512

    Ate 50 dolares (produto+frete) nao paga impostos SE for envio de pessoa fisica pra pessoa fisica na modalidade GIFT

    no seu caso foi compra de empresa, ate 1 dolares eles podem tributar se quiserem

  4. #3
    Membro Avatar de Netossauro
    Autor do tópico
    Info
    Registro
    Sep 2003
    Mensagens
    4.032
    Verdinhas
    2935

    Haaa... ou seja, me fudi...

    so espero que a faca seja pequena e amolada, que a cobrança seja baixa (valor total da compra com frete = 86 reais)

  5. #4
    Jon
    Jon está offline
    Membro Avatar de Jon
    Info
    Registro
    Oct 2002
    Mensagens
    2.177
    Verdinhas
    3611

    Citação Citando Brutto Netto Ver mensagem
    so espero que a faca seja pequena e amolada, que a cobrança seja baixa (valor total da compra com frete = 86 reais)
    60% em cima do valor total quando a encomenda vem pelos correios. Normalmente já consta na carta o valor a ser pago.

    Ruim é quando cismam que a encomenda custou mais do que o declarado, aí tributam em cima disso (e é neste caso que se pede pedido de revisão de tributação).

  6. #5
    Membro Avatar de Netossauro
    Autor do tópico
    Info
    Registro
    Sep 2003
    Mensagens
    4.032
    Verdinhas
    2935

    nesse caso 51 reais, so que nao veio nenhum valor na carta

  7. #6
    Membro Avatar de IrmaoDoSasuke
    Info
    Registro
    Sep 2007
    Mensagens
    7.358
    Verdinhas
    1529

    Estranho não ter vindo valor na carta. Pede pra ela scannear e mandar pra vc... dps posta aqui.

    Ou então liga pra agência onde está, passa o código que eles te passam o valor...

    É loteria total isso. Uma vez 11 jogos usados foram abertos pela receits para verificação, e foram liberados. "Verificado não tributado" carimbado.

    Outra vez, 8 jogos nem foram abertos, tributados em 60% do valor declarado (e o vendedor declarou tudo certo )

    Enviado de meu GT-P3110 usando o Tapatalk 2

  8. #7
    Suspenso
    Info
    [Too Long]
    Registro
    Jun 2008
    Mensagens
    5.667
    Verdinhas
    635

    Na verdade impotacao de qualquer equipamento usado/pirata ou refurbished era pra ser confiscada e destruida e nao tarifada.

    Mas nao sei como andam as coisas hoje

  9. #8
    Membro Avatar de IrmaoDoSasuke
    Info
    Registro
    Sep 2007
    Mensagens
    7.358
    Verdinhas
    1529

    Citação Citando MaçãEtílica Ver mensagem
    Na verdade impotacao de qualquer equipamento usado/pirata ou refurbished era pra ser confiscada e destruida e nao tarifada.

    Mas nao sei como andam as coisas hoje
    Pirata eu concordo. Os demais é mimimimimi seu.

  10. #9
    Suspenso
    Info
    [Too Long]
    Registro
    Jun 2008
    Mensagens
    5.667
    Verdinhas
    635

    Citação Citando IrmaoDoSasuke Ver mensagem
    Pirata eu concordo. Os demais é mimimimimi seu.
    Não é mimimi meu. Ja tive coisa sendo parada na receita por ser refurbished tanto vindo dos usas quanto de ciud del este.

    Por isso que falei que nao sei como esta hj.

    ----


    Pesquisando por alto:


    As importações de bens usados estão regulamentadas pela Portaria DECEX nº 8, de 13/05/1991, e alterações posteriores. Tais importações estão sujeitas a licenciamento não automático previamente ao embarque dos bens no exterior. De acordo com a aludida Portaria DECEX são permitidas as importações dos seguintes bens usados:

    a) máquinas, equipamentos, aparelhos, instrumentos, ferramentas, moldes e contêineres para utilização como unidade de carga;

    b) máquinas, equipamentos, aparelhos e instrumentos destinados à reconstrução no país por empresas que atendam normas técnicas de padrão internacional, que após o processamento atinjam estágio tecnológico não disponível no país, tenham garantia idêntica à de análogos novos e agreguem insumos de produção local;

    c) partes, peças e acessórios recondicionados, para manutenção de máquinas e equipamentos, desde que o processo de recondicionamento tenha sido efetuado pelo próprio fabricante, ou por empresa por ele credenciada e os bens a importar contem com a mesma garantia de produto novo e não sejam produzidos em território nacional;

    d) importações ao amparo de acordos internacionais firmados pelo país;

    e) importações pelo regime de admissão temporária, devendo ser observados os critérios estabelecidos na Portaria somente em caso de nacionalização;

    f) bens havidos por herança;

    g) remessas postais, sem valor comercial;

    h) transferências de unidades industriais, linhas ou células de produção, vinculadas a projetos específicos de interesse da economia nacional;

    i) bens culturais;

    j) veículos antigos, com mais de trinta anos de fabricação, para fins culturais e de coleção;

    k) embarcações para transporte de carga e passageiros, aprovadas pelo Departamento de Marinha Mercante do Ministério dos Transportes;

    l) aeronaves e outros aparelhos aéreos ou espaciais, turborreatores, turbopropulsores e outros motores, aparelhos, instrumentos, ferramentas e bancadas de teste de uso aeronáutico, bem com suas partes, peças e acessórios;

    m) embarcações de pesca, condicionadas à autorização prévia da Secretaria Especial da Aqüicultura e Pesca da Presidência da República;

    n) partes e peças e acessórios recondicionados, para a reposição ou manutenção de produtos de informática e telecomunicações, desde que o processo de recondicionamento tenha sido efetuado pelo próprio fabricante, ou por terceiros, por ele credenciados;

    o) partes, peças e acessórios usados, de produto de informática e telecomunicações, para reparo, conserto ou manutenção, no País, desde que tais operações sejam realizadas pelo próprio fabricante do produto final, ou por terceiros por ele credenciados;

    p) máquinas, equipamentos, aparelhos, instrumentos, ferramentas, moldes e contêineres, bem como seus componentes, peças, acessórios e sobressalentes, importados sob o regime do drawback, modalidade suspensão, exceto as operações especiais drawback para embarcação para entrega no mercado interno e drawback para fornecimento no mercado interno; e

    q) moldes classificados na posição 8480 da NCM/TEC e ferramentas classificadas na posição 8207 da NCM/TEC, desde que tenham sido manufaturadas sob encomenda e para fim específico.

    Em relação aos produtos a que se referem os itens a) e b), a importação somente será autorizada caso os mesmos não sejam produzidos no país, ou não possam ser substituídos por outros, atualmente fabricados no território nacional, capazes de atender aos fins a que se destina o material a ser importado. Para efeitos de análise da produção nacional, a SECEX torna públicos os pedidos de importação, devendo a indústria manifestar-se no prazo de até 30 dias para comprovar a fabricação no mercado interno. Este procedimento pode ser dispensado quando envolver a importação de bens com notória inexistência de produção nacional, quando envolver pedidos de importação que venham acompanhados de atestados de inexistência de produção nacional, emitidos por entidade representativa da indústria, de âmbito nacional, ou quando se referir a bens usados idênticos a bens novos contemplados com "Ex-Tarifário".

    A análise de produção nacional tem início com o envio, pela interessada, do catálogo técnico ou memorial descritivo do produto a importar. O DECEX, por meio de Consulta Pública, publica os pedidos de importação na página eletrônica do MDIC. O resultado da análise de produção nacional terá validade de cento e oitenta dias contados a partir da data de sua emissão.

    No caso do item h), poderá ser permitida a admissão de bens usados integrantes das unidades industriais e das linhas ou células de produção que contarem com produção nacional mediante acordo entre o interessado na importação e os produtores nacionais. O acordo será apreciado por entidade de classe representativa da indústria de âmbito nacional e homologado pela SECEX. Caso não se conclua o acordo em até 30 dias (prorrogáveis por mais 30 dias, por solicitação formal de qualquer uma das partes), contados a partir da notificação à entidade de classe representante dos produtores nacionais, caberá à SECEX analisar o projeto e decidir sobre a importação dos bens que contarem com produção nacional.

    A importação de bens de consumo usados é proibida com exceção das importações de quaisquer bens, sem cobertura cambial, sob a forma de doação, diretamente realizadas pela União, Estados, Distrito Federal, Territórios, Municípios, autarquias, entidades da administração pública indireta, instituições educacionais, científicas e tecnológicas, e entidades beneficentes, reconhecidas como de utilidade pública e sem fins lucrativos, para uso próprio e para atender às suas finalidades institucionais, sem caráter comercial.

    As importações de artigos de vestuário usados realizadas pelas entidades beneficentes deverão ser instruídas com os seguintes documentos: a) cópias autenticadas do Registro e do Certificado de Entidade Beneficente de Assistência Social (CEAS) do importador, emitidos pelo Conselho Nacional de Assistência Social (CNAS), do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome; b) carta de doação chancelada pela representação diplomática brasileira do país de origem; c) cópia autenticada dos atos constitutivos, inclusive alterações, da entidade importadora; d) autorização, reconhecida em cartório, do importador para o seu despachante ou representante legal promover a obtenção da LI; e) declaração da entidade indicando a atividade beneficente a que se dedica e o número de pessoas atendidas; e f) declaração por parte da entidade de que as despesas de frete e seguro não são pagas pelo importador e de que os produtos importados serão destinados exclusivamente à distribuição para uso dos beneficiários cadastrados pela entidade, sendo proibida sua comercialização, inclusive em bazares beneficentes.

+ Responder Tópico Ir para o Fórum

Assuntos do tópico

Compartilhar

Permissões