• O autor

      Rodrigo Guerini é historiador, professor, autor do blog SanroJoga e redator de jogos para a hardMOB.

      Análise de Patchwork (Ludofy)

      Num primeiro momento é impossível levar a sério a temática de Patchwork e considerá-lo um “jogo de tabuleiro moderno”. Com o preconceito saindo por todos os poros você olha mais atentamente na caixa e percebe o nome Uwe Rosenberg, autor de clássicos como Agricola e Caverna.


      E ai? Teria um dos mais conceituados designer de jogos de tabuleiro moderno se vendido para um jogo idiota, ou existe um pouco mais por baixo deste título que parece tão despretensioso?

      O que é?

      Patchwork é um jogo para dois jogadores em que cada participante deve comprar peças parecidas com o clássico dos videogames Tetris e montá-las no seu tabuleiro. O objetivo é criar uma colcha de retalhos com as peças recolhidas.

      Apesar de no começo do jogo qualquer peça caber em qualquer lugar, conforme o tabuleiro vai se preenchendo, fica cada vez mais difícil conseguir peças que se encaixam perfeitamente.


      Desnecessário dizer que num jogo de Uwe, não preencher cada um dos espaços cria pontos negativos, o que transforma um simples jogo de “pintar o quadro” em um exercício mental para tentar deixar o mínimo de espaços vazios possível.

      Componentes

      O brilho do jogo está nas peças que serão colocadas no tabuleiro individual. Elas lembram tecido e criam um lindo padrão quando são acomodadas uma do lado das outras.

      O dinheiro do jogo é em formato de botões, cartonados. Nada muito especial, embora mantenha a estética do jogo.


      Fora isto, não há muito o que se comentar: são apenas dois marcadores de posição para o tabuleiro central e um peão que é posicionado entre as peças fora do tabuleiro. Este peão serve para demarcar quais três possíveis peças estão disponíveis para a compra.

      Manual e a tradução

      Patchwork não possuí nenhuma dependência de idioma, já que não há qualquer parte escrita no jogo em si. Quanto ao manual, ele foi bem traduzido e após uma única leitura já é possível desfrutar do jogo por completo.

      Jogando

      No começo, tudo muito fácil: pegar uma peça das três disponíveis, pagar seu custo em botões e tempo – avançando o marcador no tabuleiro central - e posicioná-la no tabuleiro pessoal. Logo os dois jogadores percebem que para conseguir formar sua colcha de retalhos da melhor forma possível é preciso um pouco mais do que pegar a primeira peça disponível.


      E aí que começa o cálculo sobre qual a melhor peça, se haverá botões suficientes para serem pagos, ou se é melhor pegar uma peça não tão boa, mas evitar que o adversário pegue aquela peça que se encaixa perfeitamente em seu tabuleiro.

      Patchwork pode ser jogado de duas formas distintas: seja jogando apenas observando o seu tabuleiro, seja tentando atrapalhar o adversário, independente disto ele apresenta opções bastante interessantes em todo o tempo de jogo.

      Conclusão

      Já nas primeiras rodadas é possível perceber que Patchwork é mais do que um simples “joguinho” de tabuleiro. Não me entenda mal, não há nele a mesma profundidade dos grandes clássicos do autor, mas há aqui um grande jogo.


      Preparar o número de botões para comprar aquela peça que se encaixa perfeitamente no seu tabuleiro, ou tentar criar o quadrado de 7x7 completamente preenchido são ações interessantes que envolvem os dois jogadores durante toda a partida.

      Patchwork pode ser jogado por qualquer pessoa, mesmo não jogadores. É simples de colocar na mesa e explicar. Mas, mesmo entre gamers ainda há espaço para diversão.

      Entre as opções de jogos exclusivos para dois jogadores no Brasil, Patchwork se destaca não só por esta simplicidade e beleza, mas também pelo fato de agradar mesmo aqueles que não pretendem investir muito em tempo ou dinheiro.


      Para jogadores hardcores, ele é um bom filler. Para os iniciantes sustenta uma noite inteira com 3 ou 4 partidas. É obrigatório na coleção de qualquer um.

      Com exceção das duas primeiras imagens, todas elas são de domínio público e divulgação do jogo.
      Comentários 4 Comentários
      1. Avatar de pcfp69
        Bem legal o review, minha esposa se interessou ja que é bordadeira rsrs, me parece um bom jogo-família para levar pra praia! Abraços
      1. Avatar de macedo
        Serio que voces tao postando de capa esses jogos de tabuleiro ainda ? Ja deu, hora de mudar o foco.
      1. Avatar de macedo
        Serio que voces tao postando de capa esses jogos de tabuleiro ainda ? Ja deu, hora de mudar o foco .
      1. Avatar de Rodrigo Guerini
        Citação Citando pcfp69 Ver mensagem
        Bem legal o review, minha esposa se interessou ja que é bordadeira rsrs, me parece um bom jogo-família para levar pra praia! Abraços
        Para dois jogadores é sim. O Uwe lançou final do ano passado o Cotton Garden, que tem mecânica parecida para até 4 jogadores. Joguei faz alguns dias e achei muito bom, melhor até que o patchwork. Não tem dependência de idioma, embora só tenha sido lançado lá fora, por enquanto.
      Para comentar por favor registre-se.