• Quando "liberdade" perdeu seu sentido

      Muito embora tenha vivido durante a ditadura ainda era muito novo para entender completamente os mecanismos de repressão da época, a percepção de tolhimento do conceito de liberdade vem apenas de forma clara ao final da adolescência e início da vida adulta, antes disso ainda há confusão demais em uma mente intoxicada demais por hormônios e esse sentido de repreensão é ainda muito entremeado aos vendilhões das relações paternas durante o crescimento.

      Liberdade e censura tornaram-se palavras fortes durante e logo após os anos de chumbo no Brasil, aquela nobre e iluminada, esta violenta e sombria. Invocar a liberdade era associar conceitos de livre expressão de pensamento político, social e cultural, de informação. Censura era o tolhimento violento de qualquer expressão de pensamento crítico.

      Mas o tempo não foi generoso com ambas palavras, banalizadas e adulteradas hoje estão retalhadas, um arremedo desconfigurado do que antes significavam. Numa sociedade que esta cada vez mais grosseira e egoísta, os que antes eram frutos de desaranjos familiares e motivo de reprovação social, hoje evocam o conceito de liberdade para justificar suas falhas, e quando repreendidos arrotam serem censurados.

      Essa percepção de liberdadade como a possibilidade de fazer irresponsavelmente qualquer coisa sem nenhum controle ou responsabilidade social, ou legal, vem em parte de uma escola pedagógica que foi implantada lentamente no Brasil a partir do final do século passado, que pregava o fim de um modelo de educação "repreensivo". Onde o conhecimento deveria ser compartilhado pelo professor e não imposto aos alunos. Junto a esta metodologia venho a integração da "comunidade" ao ambiente escolar e o fim de qualquer método "bárbaro" de repreensão de má conduta em sala de aula.

      Muito embora o princípio tenha sido correto, na implementação prática a falha foi colossal.

      Adentraram nas escolas elementos políticos da "comunidade" que interferiram nos quadros administrativos e docentes, o professor que antes já tinha trabalho suficiente no sentido de trasmitir (ou que seja, compartilhar) conhecimentos agora tinha que se preocupar com elementos de educação básica de seus alunos, que deveriam na verdade ser geridos e administrados no ambiente familiar. A responsabilidade sobre a educação (tanto acadêmica quanto pessoal) recaiu totalmente sobre o professor. Um aluno não reprovaria mais pela sua falta de capacidade, pela sua ausência de interesse, pela sua grosseria ou o desinteresse de seus pais, reprovaria única e exclusivamente pela falha do professor.

      A maneira como essa metodologia fora implementada gerou uma personalidade preguiçosa, agressiva e estúpida em boa parte dos alunos formados neste ambiente, de atribuirem a responsabilidade de suas falhas a terceiros, de não assumirem nem refletirem sobre seus erros. Uma leva enorme de crianças foi, e esta, sendo criada sem a capacidade de reflexão auto-crítica, achando que podem fazer o que querem onde quiserem, como se ainda tivessem a proteção de seus 3 anos de idade.

      Concomitante temos também o ambiente familiar, onde os pais começaram a perceber que era mais fácil cobrar pela educação de seus filhos de um terceiro, e nisso entram televisão, escola, livros, filmes, quadrinhos, música, do que assumir a responsabilidade da formação ética e social de seus rebentos. Essa nova metodologia "libertária" foi o escape perfeito para que pais ausentes atribuissem a outros as consequencias anti-sociais de sua ausência na criação de seus filhos.



      E foi essa geração que encontrou em "liberdade" a terminologia perfeita para justificar a manifestação de seus desarranjos sociais, éticos e até legais, em "censura" a tentativa de nobreza em se proteger da repreensão, e na internet um abrigo de "expressão" de sua barbárie. Curiosamente a intransigência e agressividade em relação a opinião alheia, que de fato é uma manifestação violenta (verbal, mas tão brutal quanto física) de censura clássica, e é inerente a essa manada de pequenos ditadores, não lhes é vista como tal. Liberdade não é irresponsabilidade, censura não é civilidade, mas passaram a ser.

      Liberdade e censura são palavras que hoje perderam seu sentido clássico mais nobre, são amontoados de letras vadias em bocas sujas, deveriam ter sido tombadas pelo patrimônio literário brasileiro e uma nova terminologia usada para que a escória órfã tenha algum punhado de palavras para se defender de quando é repreendida. Liberdade e censura nunca deveriam estar na boca destas pessoas, elas estão ruminando palavras junto a podridão de seus estômagos e são incapazes de as saborear.
      Este artigo foi publicado originalmente no tópico do fórum: Quando liberdade deixou de ser liberdade iniciado por kingMOB Mensagem original
      Comentários 31 Comentários
      1. Avatar de Felipe
        Click here to enlarge Citando kingMOB Click here to enlarge
        Anexado 3729
        Muito embora tenha vivido durante a ditadura ainda era muito novo para entender completamente os mecanismos de repressão da época, a percepção de tolhimento do conceito de liberdade vem apenas de forma clara ao final da adolescência e início da vida adulta, antes disso ainda há confusão demais em uma mente intoxicada demais por hormônios e esse sentido de repreensão é ainda muito entremeado aos vendilhões das relações paternas durante o crescimento.

        Liberdade e censura tornaram-se palavras fortes durante e logo após os anos de chumbo no Brasil, aquela nobre e iluminada, esta violenta e sombria. Invocar a liberdade era associar conceitos de livre expressão de pensamento político, social e cultural, de informação. Censura era o tolhimento violento de qualquer expressão de pensamento crítico.

        Mas o tempo não foi generoso com ambas palavras, banalizadas e adulteradas hoje estão retalhadas, um arremedo desconfigurado do que antes significavam. Numa sociedade que esta cada vez mais grosseira e egoísta, os que antes eram frutos de desaranjos familiares e motivo de reprovação social, hoje evocam o conceito de liberdade para justificar suas falhas, e quando repreendidos arrotam serem censurados.

        Essa percepção de liberdadade como a possibilidade de fazer irresponsavelmente qualquer coisa sem nenhum controle ou responsabilidade social, ou legal, vem em parte de uma escola pedagógica que foi implantada lentamente no Brasil a partir do final do século passado, que pregava o fim de um modelo de educação "repreensivo". Onde o conhecimento deveria ser compartilhado pelo professor e não imposto aos alunos. Junto a esta metodologia venho a integração da "comunidade" ao ambiente escolar e o fim de qualquer método "bárbaro" de repreensão de má conduta em sala de aula.

        Muito embora o princípio tenha sido correto, na implementação prática a falha foi colossal.

        Adentraram nas escolas elementos políticos da "comunidade" que interferiram nos quadros administrativos e docentes, o professor que antes já tinha trabalho suficiente no sentido de trasmitir (ou que seja, compartilhar) conhecimentos agora tinha que se preocupar com elementos de educação básica de seus alunos, que deveriam na verdade ser geridos e administrados no ambiente familiar. A responsabilidade sobre a educação (tanto acadêmica quanto pessoal) recaiu totalmente sobre o professor. Um aluno não reprovaria mais pela sua falta de capacidade, pela sua ausência de interesse, pela sua grosseria ou o desinteresse de seus pais, reprovaria única e exclusivamente pela falha do professor.

        A maneira como essa metodologia fora implementada gerou uma personalidade preguiçosa, agressiva e estúpida em boa parte dos alunos formados neste ambiente, de atribuirem a responsabilidade de suas falhas a terceiros, de não assumirem nem refletirem sobre seus erros. Uma leva enorme de crianças foi, e esta, sendo criada sem a capacidade de reflexão auto-crítica, achando que podem fazer o que querem onde quiserem, como se ainda tivessem a proteção de seus 3 anos de idade.

        Concomitante temos também o ambiente familiar, onde os pais começaram a perceber que era mais fácil cobrar pela educação de seus filhos de um terceiro, e nisso entram televisão, escola, livros, filmes, quadrinhos, música, do que assumir a responsabilidade da formação ética e social de seus rebentos. Essa nova metodologia "libertária" foi o escape perfeito para que pais ausentes atribuissem a outros as consequencias anti-sociais de sua ausência na criação de seus filhos.

        Anexado 3731

        E foi essa geração que encontrou em "liberdade" a terminologia perfeita para justificar a manifestação de seus desarranjos sociais, éticos e até legais, em "censura" a tentativa de nobreza em se proteger da repreensão, e na internet um abrigo de "expressão" de sua barbárie. Curiosamente a intransigência e agressividade em relação a opinião alheia, que de fato é uma manifestação violenta (verbal, mas tão brutal quanto física) de censura clássica, e é inerente a essa manada de pequenos ditadores, não lhes é vista como tal. Liberdade não é irresponsabilidade, censura não é civilidade, mas passaram a ser.

        Liberdade e censura são palavras que hoje perderam seu sentido clássico mais nobre, são amontoados de letras vadias em bocas sujas, deveriam ter sido tombadas pelo patrimônio literário brasileiro e uma nova terminologia usada para que a escória órfã tenha algum punhado de palavras para se defender de quando é repreendida. Liberdade e censura nunca deveriam estar na boca destas pessoas, elas estão ruminando palavras junto a podridão de seus estômagos e são incapazes de as saborear.
        Creio eu que a grande questão que levou a essa libertinagem travestida de liberdade foi justamente o medo que os governantes têm de se assemelhar com os ditadores do passado. A sociedade ficou estigmatizada e com isso acabou por dar uma liberdade sem freios para as novas gerações. Tenho medo do futuro do nosso país.
      BEST_ANSWER_PLACEHOLDER
      1. Avatar de Abcwyz
        Click here to enlarge Citando kingMOB Click here to enlarge
        Muito embora tenha vivido durante a ditadura ainda era muito novo para entender completamente os mecanismos de repressão da época, a percepção de tolhimento do conceito de liberdade vem apenas de forma clara ao final da adolescência e início da vida adulta, antes disso ainda há confusão demais em uma mente intoxicada demais por hormônios e esse sentido de repreensão é ainda muito entremeado aos vendilhões das relações paternas durante o crescimento.

        Liberdade e censura tornaram-se palavras fortes durante e logo após os anos de chumbo no Brasil, aquela nobre e iluminada, esta violenta e sombria. Invocar a liberdade era associar conceitos de livre expressão de pensamento político, social e cultural, de informação. Censura era o tolhimento violento de qualquer expressão de pensamento crítico.

        Mas o tempo não foi generoso com ambas palavras, banalizadas e adulteradas hoje estão retalhadas, um arremedo desconfigurado do que antes significavam. Numa sociedade que esta cada vez mais grosseira e egoísta, os que antes eram frutos de desaranjos familiares e motivo de reprovação social, hoje evocam o conceito de liberdade para justificar suas falhas, e quando repreendidos arrotam serem censurados.

        Essa percepção de liberdadade como a possibilidade de fazer irresponsavelmente qualquer coisa sem nenhum controle ou responsabilidade social, ou legal, vem em parte de uma escola pedagógica que foi implantada lentamente no Brasil a partir do final do século passado, que pregava o fim de um modelo de educação "repreensivo". Onde o conhecimento deveria ser compartilhado pelo professor e não imposto aos alunos. Junto a esta metodologia venho a integração da "comunidade" ao ambiente escolar e o fim de qualquer método "bárbaro" de repreensão de má conduta em sala de aula.

        Muito embora o princípio tenha sido correto, na implementação prática a falha foi colossal.

        Adentraram nas escolas elementos políticos da "comunidade" que interferiram nos quadros administrativos e docentes, o professor que antes já tinha trabalho suficiente no sentido de trasmitir (ou que seja, compartilhar) conhecimentos agora tinha que se preocupar com elementos de educação básica de seus alunos, que deveriam na verdade ser geridos e administrados no ambiente familiar. A responsabilidade sobre a educação (tanto acadêmica quanto pessoal) recaiu totalmente sobre o professor. Um aluno não reprovaria mais pela sua falta de capacidade, pela sua ausência de interesse, pela sua grosseria ou o desinteresse de seus pais, reprovaria única e exclusivamente pela falha do professor.

        A maneira como essa metodologia fora implementada gerou uma personalidade preguiçosa, agressiva e estúpida em boa parte dos alunos formados neste ambiente, de atribuirem a responsabilidade de suas falhas a terceiros, de não assumirem nem refletirem sobre seus erros. Uma leva enorme de crianças foi, e esta, sendo criada sem a capacidade de reflexão auto-crítica, achando que podem fazer o que querem onde quiserem, como se ainda tivessem a proteção de seus 3 anos de idade.

        Concomitante temos também o ambiente familiar, onde os pais começaram a perceber que era mais fácil cobrar pela educação de seus filhos de um terceiro, e nisso entram televisão, escola, livros, filmes, quadrinhos, música, do que assumir a responsabilidade da formação ética e social de seus rebentos. Essa nova metodologia "libertária" foi o escape perfeito para que pais ausentes atribuissem a outros as consequencias anti-sociais de sua ausência na criação de seus filhos.

        Clique na imagem para versão maior Nome: liberdade_vs_liberdade.jpg Visualizações: 0 Tamanho: 128,4 KB ID: 3731


        E foi essa geração que encontrou em "liberdade" a terminologia perfeita para justificar a manifestação de seus desarranjos sociais, éticos e até legais, em "censura" a tentativa de nobreza em se proteger da repreensão, e na internet um abrigo de "expressão" de sua barbárie. Curiosamente a intransigência e agressividade em relação a opinião alheia, que de fato é uma manifestação violenta (verbal, mas tão brutal quanto física) de censura clássica, e é inerente a essa manada de pequenos ditadores, não lhes é vista como tal. Liberdade não é irresponsabilidade, censura não é civilidade, mas passaram a ser.

        Liberdade e censura são palavras que hoje perderam seu sentido clássico mais nobre, são amontoados de letras vadias em bocas sujas, deveriam ter sido tombadas pelo patrimônio literário brasileiro e uma nova terminologia usada para que a escória órfã tenha algum punhado de palavras para se defender de quando é repreendida. Liberdade e censura nunca deveriam estar na boca destas pessoas, elas estão ruminando palavras junto a podridão de seus estômagos e são incapazes de as saborear.
        Concordo.
      1. Avatar de sugar
        O problema é que os pais de hoje só querem ter o trabalho de botar o filho no mundo, deixam a criação ''livre'' por conta da empregada e da rua, depois que o garoto/garota se torna um pequeno marginal é difícil reverter.
      1. Avatar de Urubu Rei
        Outra coisa que me deixa preocupado, é a forma como os alunos recebem o conhecimento, pra eles saberem física, quimica e biologia é apenas importante ''para passar de ano e conseguir vaga em faculdade.''

        Os alunos não se interessam em transporta esse conhecimento para o dia-dia, podem até decorar as 3 leis de newton por exemplo, mas não conseguem traçar uma analogia coesa de como essas 3 leis fundamentais da física se aplicam nos mêcanismo que os rodeiam.


        Não é assim que se produz bons engenheiros, cientistas e químicos, ou melhor, não vai ser dessa forma que produziremos uma mão de obra verdadeiramente qualificada..
      1. Avatar de ferA_
        Click here to enlarge Citando Urubu Rei Click here to enlarge
        Outra coisa que me deixa preocupado, é a forma como os alunos recebem o conhecimento, pra eles saber física, quimica e biologia é apenas importante ''para passar de ano e conseguir vaga em faculdade.''

        Os alunos não se interessam em transporta esse conhecimento para o dia-dia, podem até decorar as 3 leis de newton por exemplo, mas não conseguem traçar uma analogia coesa de como essas 3 leis fundamentais da física se aplicam nos mêcanismo que os rodeiam.


        Não é assim que se produz bons engenheiros, cientistas e químicos, ou melhor, não vai ser dessa forma que produziremos uma mão de obra verdadeiramente qualificada..
        Mas isso não é culpa dos alunos em si.
        É culpa do sistema educacional e do processo seletivo pra faculdades públicas.
      1. Avatar de Urubu Rei
        Click here to enlarge Citando "ferA" Click here to enlarge
        Mas isso não é culpa dos alunos em si.
        É culpa do sistema educacional e do processo seletivo pra faculdades públicas.
        concordo, soma-se também a enxurrada de cursinhos pré vestibulares baseados em apostilas q comprimem matérias complexas como a teoria da relatividade em apenas 2 páginas.
      1. Avatar de Colher
        O que me impressiona são os nossos users com o avatar da guria lá tendo a pachorra de postar nesse tópico. Eu creio que o King estava se referindo a vcs como a "manada de pequenos ditadores".
      1. Avatar de Cheiro do Ralo
        Click here to enlarge Citando SDF Click here to enlarge
        A verdade é que as palavras não significam nada hoje em dia.

        Liberdade, revolução, educação, responsabilidade social,ambiental.


        O que é tudo isso? Eles não sabem, vivem em suas redomas de cristal intransigentes. Se entregaram a um tipo de destino visto como fatal, são jovens sem nenhuma ideologia, "realistas", pobres de espírito, consumidores.

        O que sei é que o país é a soma de cada um, quando se privilegia o ter ao ser, o "trabalho" aos estudos, o empresário ao professor, esta se fazendo a clássica inversão de valores e a opção clara para um destino mais sombrio, violento e corrupto.

        Esses jovens abobalhados não tem muita saída, é rachar de trabalhar até a morte, já que aposentadoria é coisa de vagabundo, numa existência tola e diminuta, como uma engrenagem de máquina, mas isto deve ser a liberdade, se ele quiser ele sai da máquina, ó raio é que sempre tem uma outra fatura de cartão de crédito para pagar.
        concordo plenamente. Click here to enlarge
      1. Avatar de Xp3rT
        como disse Albert Camus em O Mito de Sísifo:

        "No dia em que o crime se enfeitar com os desposos da inocência, por uma curiosa reviravolta própria do nosso tempo, a inocência é que será intimada a fornecer suas justificativas."

        Hoje ser rebelde (no sentido gorreseiro da palavra), irresponsável, deseducado dentre outros adjetivos péssimos tornou-se o normal. É a liberdade (em um sentido modificado e vulgar) usada como desculpa para tais atitudes, o pior disso é que aquele que ousam agir de maneira coerente e correta são obrigados a dar explicações por parecerem bobos, idiotas e principalmente ATRASADOS como pregram esses "ogros" modernos.

        Fica ai minha observação do assunto, e um ponto pro King que falou a pura verdade.
      1. Avatar de Cidadão Kane
        Click here to enlarge Citando sugar Click here to enlarge
        O problema é que os pais de hoje só querem ter o trabalho de botar o filho no mundo, deixam a criação ''livre'' por conta da empregada e da rua, depois que o garoto/garota se torna um pequeno marginal é difícil reverter.
        Concordo. Uma grande parte dos problemas sociais e criminais que vemos hoje é culpa da educação relapsa que essas pessoas (não) receberam dos seus pais.
      1. Avatar de TM99
        é tudo culpa da internet.
      1. Avatar de Kopzr
        É tudo culpa do GTA

        Click here to enlarge
      1. Avatar de Xerox
        Como nao se impoe mais limite algum, a grande maioria acha que só tem direitos

        Deveres? nunca
        Responsabilidade? esquece


        Essa foi a pior herança da ditadura, o pulso frouxo demais....
      1. Avatar de titijr
        pelo menos na época da ditadura não era essa putaria que é hj. As coisas eram levadas bem mais a sério.
        palavras do meu pai, pois eu não vivi naquela época, mas segundo ele era bem melhor.
        Há quem diga que muita gente sumiu, que mataram um monte de gente...mas era só andar na linha que não tinha grilo.
      1. Avatar de mostrow
        Click here to enlarge Citando Xerox Click here to enlarge
        Essa foi a pior herança da ditadura, o pulso frouxo demais....
        Meu pai diz a mesma coisa... e eu concordo. Faltou fibra nessa geração.
      1. Avatar de rodrigorodriguez
        plenamente de acordo.. é como se antes nao pudesse nada e agora para compensar, pudesse tudo..

        Click here to enlarge

        Click here to enlarge
      1. Avatar de Wesley Alves
        Click here to enlarge Citando Felipe Click here to enlarge
        Creio eu que a grande questão que levou a essa libertinagem travestida de liberdade foi justamente o medo que os governantes têm de se assemelhar com os ditadores do passado. A sociedade ficou estigmatizada e com isso acabou por dar uma liberdade sem freios para as novas gerações. Tenho medo do futuro do nosso país.
        Sou palestrante em empresas, escolas públicas e empresa e tenho visto isto bem de perto. Montei um blog onde falo sobre estes fenômenos https://palestraparaprofessores.com.br. O correto é fazermos a nossa parte investindo em tempo de qualidade com as nossas crianças para não perder pois a responsabilidade da educação é nossa.
      1. Avatar de Raphok
        Click here to enlarge Citando Wesley Alves Click here to enlarge
        Sou palestrante em empresas, escolas públicas e empresa e tenho visto isto bem de perto
        Click here to enlarge
      1. Avatar de corvin
        troféu pá de platina

        O que aconteceu com a conta do SDF? O cara ali em cima quotou ele mas nem tem post dele aqui
      1. Avatar de Repolho Roxo
        Click here to enlarge
        @ZCC
      Para comentar por favor registre-se.