• O autor

      Rodrigo Guerini é historiador, professor, autor do blog SanroJoga e redator de jogos para a hardMOB.

      Formula D (Galápagos)

      Vou ser bastante franco com você, caro leitor: não é exatamente fácil fazer uma análise de Formula D. Afinal, sobre qual versão eu devo analisar o conjunto de regras? Da versão “simples” ou da “avançada” que o manual apresenta ou uma das inúmeras variantes disponíveis em cada uma das diferentes mesas de jogo?



      Parto daí. O fato de cada mesa criar o seu próprio conjunto de regras para o jogo mostra duas características, primeiro o jogo é popular e bom o suficiente para ter muita gente jogando, olhando e pensando sobre ele. Segundo, há algum ponto neste conjunto de regras oficiais que incomoda, ao ponto de várias pessoas se sentirem na necessidade de modificá-lo para assim torná-lo uma experiência melhor.

      Em sua essência, Formula D é um “roll & move”, a mais básica das mecânicas, onde o jogador rola um dado e conta o número de casas no tabuleiro. A grande sacada que o torna um pouco mais que um ludo está nas “marchas”, conforme o carro vai se tornando mais rápido na pista, o jogador utiliza dados com resultados maiores, sendo a sexta marcha um D30 com lados que variam de 21 a 30 casas.



      Já nas curvas a única limitação é parar o número de vezes que ela simboliza, curvas mais fechadas demandam duas paradas, forçando o jogador a diminuir sua marcha para rolar dados menores e assim conseguir avançar um menor número de casas.

      É um conceito muito simples que pode ser explicado em segundos e, apesar de haver mais do que isto, como sujeira na pista, gastar o freio ou o câmbio e até poderes especiais no circuito de rua o jogo é rápido de colocar na mesa e sair jogando.

      Dito isto? Por que tantas versões em cima das regras originais? Bem, porque ao mesmo tempo que é simples, Formula D pode ser extremamente frustrante.

      Na tentativa de simular uma corrida de fórmula 1, o carro pode rodar, bater, quebrar. E como ocorre na realidade nestes eventos, o jogador é eliminado da partida. Agora, imagine a frustração de um jogador que é eliminado na última curva por um azar nos dados? Ou ainda pior, alguém que é eliminado pelo resultado dos dados depois de 2 horas em uma partida que dura três horas e meia?



      Por outro lado, é justamente este risco que limita os jogadores a “tentar o tudo ou nada” a todo momento, e a buscar serem mais conservadores para concluir a etapa. Mas ao ser conservador, ao não arriscar, se retira a diversão da partida e torna-se apenas um jogo burocrático.

      É nesta gangorra de emoções, onde em um momento você pode explodir em felicidade ao arriscar e conseguir uma brilhante sequência de jogadas e em outro você pode ser enterrado em frustrações e ser obrigado a assistir os seus amigos se divertirem por horas que um jogador de Formula D tem que se equilibrar.

      Certamente, não é para todos.



      Pontos positivos


      No cockpit
      – Em uma partida completa, é possivelmente a melhor simulação de corrida que você vai ter em um jogo de tabuleiro. Concorrentes não chegam perto de trazer as mesmas emoções de uma corrida.

      A flor da pele
      – A emoção de rolar bem o dado, a frustração de falhar em algo faz com que Formula D seja uma experiência única, para você conversar sobre certos momentos por dias após uma partida.



      Pontos a considerar


      Expanda seus horizontes
      – Aquilo que fez Formula D especial lá fora foram as inúmeras pistas lançadas. A Galápagos, até o momento, só trouxe o jogo base e não anunciou qualquer pista extra.

      Contar casinhas – É normal numa partida ficar contando quantas casas faltam para a próxima curva e assim pensar no melhor dado (melhor marcha) para a próxima jogada. Cuidado com os jogadores que resolvem contar as casas apenas na sua vez.



      Com que regras?
      – Uma volta ou três? Regras da internet ou oficiais? Quebra o carro ou não? Os mais puristas talvez torçam o nariz com tantas variações o que pode gerar discussões antes mesmo do jogo começar.

      Pontos negativos


      Vai lendo o manual do próximo jogo
      – Com eliminação de jogadores atrelado intimamente a mecânica de pressionar a sorte com dados é preciso disposição para sentar-se numa mesa de Formula D.



      Hoje não, hoje não... hoje não mesmo...
      – É possível, principalmente em partidas longas, que um jogador se destaque em primeiro ou fique em último e nada que ele faça irá alterar o resultado.

      Consideração final – A sua experiência com Formula D está intimamente ligada com o resultado dos dados. Apesar de haver algumas formas de mitigar o resultado, é pressionando sua sorte que ele se torna mais incrível, mas é neste momento que ele pode se tornar numa experiência abismal. Até você se cansar disto e ser mais um em tentar arrumar o jogo e criar sua própria versão das regras a qual, virtualmente, irá criar mais problemas do que soluções.



      Algumas fotos mostra uma versão alterada do jogo, com outras pistas e miniaturas homemade.
      Para comentar por favor registre-se.